quarta-feira, 12 de junho de 2013

Brinquedos - responsabilidade das crianças

Há tempos tenho notado que as minhas filhas são pequenas destruidoras de brinquedos. Bem, vou mudar o tempo verbal, eram...
Lá no curso que eu comentei no post anterior, uma lâmpada acendeu em minha cabeça, e essa semana coloquei meu plano em prática.
Primeiro, lavei tudo, as bonecas, as pelúcias, os brinquedos que são peças pequenas, absolutamente tudo.
Depois, separei o Cabeça de batata, com suas peças, Um conjunto de cozinha, com pratinhos, garfos, essas coisas e uma boneca de bebê para cada uma, elas podiam escolher a boneca.
A ideia é elas passarem um mês com esses brinquedos, se não houver asseio, cuidado e zelo, perde o brinquedo, e ponto.
A Bela ficou com uma Baby Alive da Rafa (que emprestou), a Rafa ficou com o Charlie e a Lola, do desenho.
Elas brincaram, a Bela deu tetê para a boneca, e quando foi "guardar", jogou a boneca no chão, com toda "delicadeza", e perdeu a boneca por duas semanas.
Ela era tão "delicada" que quebrou a Baby Alive Doces Surpresas, a mais cara que tem, afinal, tinha, pois não fabricam mais, a boneca era um barato, mas, ela destruiu a pobre, e quando me lembro disso tenho vontade de chorar, pois sei que  ela ía aproveitar muito agora a boneca, mas, fazer oque...
Comprei umas coisas para a boneca, como mamadeira, chupeta, fralda, lenço umedecido, pois quero incentivar esse lado nelas, de brincar de boneca, coisa que eu fiz até os meus 11 anos, e era muito legal.
Se Deus quiser, ano que vem quero comprar 3 bonecas iguais pra nós, para brincarmos juntas, não vejo a hora.
Em breve vou fazer um guarda-roupa para as bebês, eu tinha roupinhas de bebês para  as minhas bonecas e era muito bom.
Eu achei tão legal essa mãe brincando com a filha:






acho um jeito legal de estar com as meninas, e ainda relembrar a minha infância.

PS - na minha época, a boneca sensação era a meu bebê da Estrela, pelo jeito não fabricam mais, fiquei triste!

Hoje em dia, a mídia, a sociedade não quer incentivar as meninas a serem meninas, a brincarem de mini-mães, eles querem que as meninas brinquem de Barbie, que usem maquiagem, que sejam médicas (não que haja problema em ser médica) mas, o mais importante é ter esse instinto natural que a mulher tem em ser mãe, e esse é o nosso papel como mães.

Ontem no curso de hebraico, uma senhora me perguntou se eu tinha feito engenharia, eu disse que sim. Ela perguntou qual engenharia, e eu disse que elétrica.
Ela perguntou se eu exergia, eu disse que não, por conta das meninas, ela virou pra mim e disse que isso era um pecado.
Eu disse, que pecado era perder a infância das minhas filhas, pois pequenas elas seriam por um curto período de tempo, e eu tinha que aproveitar.
Ela virou e me disse que sua filha que também é engenheira eletricista está grávida, e é muito bem sucedida mas, que está balançada com a questão da carreira.
Eu me calei, e a aula começou.

Não me arrependo nenhum dia sequer em ter feito essa opção, é difícil,trabalhoso mas, é MUITO, MUITO BOM!

Um comentário:

Danielle Rodrigues disse...

É uma questão de escolha e ninguém poe se meter nisso, acho que você fez muito bem Parabéns! pois depois você iria se arrepender de perder a infância das suas meminas. Eu fiquei 2 anos parada cuidando da minha e não me arrependo jamais, hoje ela é uma menina de Deus e com princípios, e se tiver outro filho não vou exitar em ficar em casa cuidando dela e do marido, afinal referencial família tá escasso, a onda agora é a família moderna (homossexuais e filhos, e etc), já a família referencial do Senhor Deus querem acabar! É o fim dos tempos amiga!